sábado, 29 de outubro de 2011

Cowboys do Asfalto




Cowboys do Asfalto


Cowboys do asfalto nas fumaças em cinzas
abutres a prova de balas em cavalos de aço
whiskey nas bandanas do vulcão em cinzas
o dragão preso na jaula dourada do braço

flexas de fogo no arco do Mustang
salto do alto do Canyon da liberdade
cruzamos o fogo com os arreios do Diabo no sangue
caminhos escravos dos rastros da liberdade

Armadura de couro cravejada de rebites
Deuses do metal correndo na veia
malditos sem destino com caveiras de enfeites
Heineken de manhã ultrapassa até a ceia

Anel de Fogo acende a noite robusta no Marlboro
jornada épica do morcego abrindo suas asas
a primeira dama a Harley com chifres de touro
estradas virgens defloradas por rodas em brasas.

Arthur Nett
15/07/2011

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Tentação Sideral








Tentação Sideral



Me dê o seu coração
no rapto do ponto de vista
mostrando o prumo da levitação
encontro o amor na pista

desacelera os arredores da gravidade
olhando para átras o piloto
com pensamentos sem controle da vontade
lance espacial testado no pasto

palavras viajando pela magia da mente
assunto de tentação sideral
os lábios são o pedágio da semente
na raiz verdadeira e fatal

detalhe grande na divisa
entre dois mundos pousar e voar
decolo no seu corpo de surpresa
aprecie o pouso ao se apaixonar.


Arthur Nett
29/05/2011


sábado, 22 de outubro de 2011

Rosa de Sangue











Rosa de Sangue



A cremação escreve aos suspiros
conspucando a natureza humana
estamos vivos como vampiros
matando a noite mundana

a muralha humana dia ápos dia
rezando através dos anos
não havendo mais fim na covardia
nadamos no sangue dos Oceanos

o sol tem uma morte repentina
o anjo da guarda lê o seu testamento
meu sobretudo versado na sua meniina
seu sangue embebeda meu sentimento

noite ápos desmorona em cinzas
seu espírito é minha primeira vítima
no jardim de corpos em cinzas
sua rosa de sangue é a minha consorte legítima.


Arthur Nett
30/07/2011

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Lagos Cristalinos


Lagos Cristalinos


No primeiro dia de outono
flores açucaram o cinto
seu princípio é o pinho sereno
com folhas que caem no que sinto

o teto mais alto do orvalho
guarda o conto de fadas do dia
a ovelha dorme na sombra do orvalho
paixão da noite no amor do dia

o tempo livre nas asas da águia
pestilo na grade da cela
a laca no caminho me guia
por lagos cristalinos até a flor bela

madeira envelhecida no marfim
o céu iluminado com a névoa
o frio da noite te trouxe pra mim
raízes de tulipas enterram sua mágoa.


Arthur Nett
30/07/2011

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Vida na Escuridão





Vida na Escuridão


Na parede de pedra malfeitores á rastejar
batendo em retirada na covardia viva
minhas presas na sua jugular pra costurar
seu bem maior abatido na minha saliva

crianças diabólicas no demónio da ilusão
no morfeu com os olhos em pranto
toco sua vida na escuridão
meu veneno letal é seu canto

sentindo no osso
a chuva vindo
sua carne no foço
seu sangue me sentindo

cicuta enterrada no mausoléu
deixando seu coraçao sangrar
sua alma perdida no céu
meus desejos presos a sua jugular.

Arthur Nett
05/08/2011

segunda-feira, 17 de outubro de 2011

Cálice de Merlot









Cálice de Merlot


Vinhos no pacto da primeira dança
cruzando o salão do vinho branco
em beijos bem claros na França
amor radiante em preto-e-branco

cruzando os portões da suíte de núpcias
palácio no cálice de Merlot
pele macia de maçã nas caricias
na sua taça me embebedou

o monte de luz retira
nos quatro andares do bolo
sua flor de safira
plantada no meu solo

carretel de gôndolas desaparecendo
na linha de chuva do seu perfume
meu vinho semeado e envelhecendo
na terra firme do seu gume.
Arthur Nett
05/08/2011

sábado, 15 de outubro de 2011

Gladiador








Gladiador



Batalhas no sangue de Romanha
razia plaga de Lombardos
preso no Reino de Sardenha
trancende as eras dos reis Albanos

chora as tempestades
pelos cabelos do gladiador
nadando o canal das verdades
lastros de sangue e dor

bracelete perdido na saída de Ravena
espelhos do céu no Coliseu
a batalha com feras me condena
na gaiola de poeira seu sangue é meu

na casa dourada de Nero no Esquelino
meu caminho traçado no sulco sagrado por Rômulo
nas sete colinas em ramos do Palatino
espólios da glória imunes ao tumulo.

Arthur Nett
17/08/2011

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

Fito nas Fadas















Fito nas Fadas


O ciclo da vida é testemunha
do ventrículo exótico cheio de pontos
cavados na direção oposta a agulha
fito nas fadas em seus contos

escavação no capô do teto solar
ataque de Vênus orfão a última dança
dedos sagrados nos anéis de Saturno ao luar
putrefação da superfície ameaça

seis cordas no fundo do lar
cúmplices noite e dia do cometa
astro solitário reluzente á tentar
o embate no teto do mundo sem etiqueta

cronometrada no foguete da elegância
fim da distância do coração
juiz do seu charme e fragrância
mordomo perspicaz da sua obsessão.

Arthur Netto
29/05/2011

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Ópera de Metal







 Ópera de Metal

Veio por terra á ópera desde o ventre
refinando o metal depois do leite materno
o vento carrega ao céu Mozart pra sempre
seiva capciosa do back in black bravo e eterno

Wagner é o dueto do girassol dos meus passos
Bach é os olhos certos do caminho
Metallica e Black Sabbath tatuando meus ossos
Ozzy grade solta do pergaminho

Na janela do oceano o riff da guitarra crua
cáfila de nuvens compondo a melodia no piano
epitâmia do mar nas teclas do sol são a rua
parcel da sinfonia eterna de cada ano

Anthrax infesta do último ao primeiro pulmão
Iron Maiden é o sino dos ventos até a Sepultura
Quinta sinfonia escalando a linha do horizonte além do chão
Ace of Spades envenando o Slayer com ternura.
Arthur Nett 12/07/2011