segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Deseperados



Desesperados

Fossos sem vida
foram cavados
desde sua partida
por seres desesperados

numa cascata
de sangue denso
se refugia a casamata
e o sofrimento imenso

sem respiração
caminha sozinho
envenenando o coração
e todos pelo caminho

voltou sem alma
sem batimento
a bela dama o acalma
e faz nascer o sentimento.

Arthur Nett
13/09/2013

domingo, 15 de setembro de 2013

Temido


Temido

A morte não nos separa
elas nos une
nos conforta e ampara
sou imune

as leis da Terra
sou temido no inferno
meu corpo repousa na terra
depois de tudo sou eterno

em idiomas diversos
vi morrer a coragem
todos tentaram conquistar os Universos
não viveram o bastante pra gozar a paisagem

lutaram pela natureza
suas mulheres e seus filhos
eu os bebi e tomei sua riqueza
os deixe mortos de olhos abertos.

Arthur Nett
04/09/2013

Caminhos Leais


Caminhos Leais

Virei à página
e comecei a ler
o diário da primeira a ultima
palavra até o entardecer

em apenas um dia
te conheci mais que em anos
seus temores sua alegria
segredos encobertos por panos

finos como seda
expostos a mim
sua paixão foi induzida
sempre fugindo do fim

caminhos leais
por contos de fadas
o destino se satisfaz
sobre flores uni nossas vidas.

Arthur Nett
15/09/2013


Findando



Findando

Num Mar estranho
abre o esplendor
sobre o Céu castanho
conheceram a dor

sem piedade
sem prisioneiro
findando a Sociedade
do último ao primeiro

só ouviram gritos
e tudo sendo tirado deles
aguas salgadas desovam os primogênitos
o breu sepulta o corpo deles

deixe que a minha presa te ocupe
toda de norte ao sul
não se preocupe
apagarei nossas pegadas no tapete azul.

Arthur Nett
04/09/2013

sábado, 14 de setembro de 2013

Champanhe Supernova



Champanhe Supernova

Sinta o aperto
a flor regada
pelo amor deserto
a paisagem florida

champanhe supernova
sobre solitários juntos
o solstício se renova
na noite quente em novos frutos

escolhe o inverno
aquecendo o redor
onde é eterno
o calor do amor

o Céu noturno
sedutor busca
vida no seu contorno
seu amago rebusca.

Arthur Nett
13/09/2013

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Aliada


Aliada

A noite é toda minha
a sombra é uma aliada
sinta os calafrios na espinha
minha bela amada

entre o meu dente
e a liberdade
seu beijo sente
minha obscuridade

jamais sentida
você cava fundo
encontrando minha alma perdida
trilhamos pelo caminho imundo

o frio não nos machuca
o calor não nos aquece
a humanidade caduca
o pecado nunca perece.

Arthur Nett
28/08/2013

Alma Gêmea



Alma Gêmea

Ao entardecer
os pássaros não cantam mais
a floresta começa a adormecer
sinto seus lábios não sou capaz

de viver sem seus beijos
minha alma gêmea
no riacho dos desejos
seu perfume de fêmea

percorrem o meu ser
por corações partidos
até estar com você
todos os caminhos eram perdidos

as árvores testemunham
nosso amor
os galhos nos abraçam
pelos panos da floresta minha flor.

Arthur Nett
28/08/2013



 


sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Almas Unidas



Almas Unidas

Antes de nascer
sentia o amor cego
comecei a viver
no seu amago

poços foram cavados
por anos de mãos nuas
almas unidas em corpos separados
destinos cruzados em águas raras

seu caminho
possui minha pegada
antes eu era sozinho
agora trilho seus lábios minha amada

nossos corações partidos
aos beijos se juntam
somos um caminhando em dois
corpos juntos que pulsão.

Arthur Nett
04/09/2013

Cálice



Cálice

Homens mortos são escravos
mulheres belas são minhas
companhias por lagos eslavos
mato a fome que me tinhas

mato a sede
tudo é profundo
um cálice que não se mede
não se chega ao fundo

um animal selvagem
soberano na escuridão e feroz
aproveitando à noite e sua paisagem
a humanidade não é como nos

eles são apenas cinzas
acendendo a minha natureza
devorados pelas minhas presas
seu sangue doce me nutri com ardileza.

Arthur Nett
29/08/2013

Vestida de Sombras



Vestida de Sombras

Vestida de sombras
ela caminha até mim
afugenta os olhos das cobras
as outras apenas rastejaram no meu jardim

mais ela caminha bela
não me teme como criatura
eu sinto o sangue dela
correndo pelo corpo envolto a sua alma pura

eu tenho a eternidade
venha comigo
sou mais que um abade
o inferno é o filho pródigo

sua vida singela
fica para trás
apenas eu e ela
nem o tempo nos desfaz.

Arthur Nett
29/08/2013

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Noites em Claro



Noites em Claro

Noites em claro e dias na escuridão
penso em você o dia todo
a noite te sinto no meu coração
em rápidos sorrisos me escondo

nunca é tarde
nunca é cedo
minha mente arde
meu corpo sente medo

entre os dentes calado
um puro sentimento
de estar ao seu lado
cada foto é um fortalecimento

parece tão perto
nos meus sonhos
na vida um aperto
no peito e lágrimas nos olhos.

Arthur Nett
04/09/2013


quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Vale do Sol



Vale do Sol

Nossos nomes cravados na árvore
amores enraizados nos corações
sentimentos fortes como mármore
cimentando suas pulsões

as folhas caem
estações passam
as andorinhas nos conhecem
os anos acabam

o destino fez os seus galhos
folhas do caminho se cruzam
foram os caudilhos
transformando a vida num ninho

sempre vou te amar
tudo será passageiro
no vale do Sol irá gamar
o seu amor será meu desejo pioneiro.

Arthur Nett
29/08/2013