segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Coração Frio


Coração Frio

A nevoa cobre o rio
descobre o instinto quente
o veneno corre coração frio
nas suas ancas me sente

desbravando como animal
faminto e selvagem
deixando o bem adormecer, acordando o mal
começa o fim da estiagem

rasgo seu vestido
com minha fúria
desejo adormecido
imaculado na incúria

sua pele nua
me deixa louco
na minha vontade crua
te possuo pouco a pouco.

Arthur Nett
08/01/2015


Alianças de Almas



Alianças de Almas

O tempo passa devagar
a saudade só aumenta
tudo é vazio sem ter você para amar
sua fotografia sustenta

o mais forte sentimento
encurtando entre nós a distancia
que há no sonhar e o momento
alongando a paixão com constância

com corações perto voa a hora
os corpos estando longe
sinto o amargo de ir embora
com seu beijo o amanhã é hoje

nada mais pode ser escrito
alianças de almas sentindo
impossível de ser descrito
apenas por nos vivido.

Arthur Nett
08/01/2015

Glorioso


Glorioso

Muitos suaram por essa camisa
vários guerreiros lutaram por esse manto
diante dele o furação sempre será brisa
milhões de vozes num só canto

por esse alvi-verde pioneiro
único, celebre e glorioso
do mundo inteiro
é o mais vitorioso

a camiseta do Barcelona
jamais será conhecida por aqui
todas as outras camisas são lona
ficando pra atrás como o Real Madrid

no alto de toda a gloria
reluzindo nos quatro cantos do mundo
o coxa em primeiro na historia
e todas as outras nações em segundo.

Arthur Nett
15/01/2015

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Furor


Furor

O furor do pântano desova
o sombrio desejo
uma vitima nova
com sangue no beijo

imaculada perfeição
conspurca a pegada
veneno corre no coração
da morte faz a vida

enterrando o passado
o presente e suas cicatrizes
no breu encontro um aliado
inimigos na luz com suas cruzes

cada presa uma pá
os pondo pra dormir no buraco
aqui o homem forte se acabará
bebendo seu sangue ate deixa-lo fraco.

Arthur Nett
12/01/15

domingo, 11 de janeiro de 2015

Fome Animal



Fome Animal

Sangue tenro e denso
por todo o seu corpo corre
um calor imenso
de um desejo que jamais morre

uma fome animal
fora do comum
nem doce, nem sal
apenas um por um

sendo servidos
ao ser imortal
a dedo escolhidos
saciando o instinto amoral

dando um tempo
tirando a vida
levado pelo vento
cada alma perdida.

Arthur Nett
07/01/2015

Luz de Vela



Luz de Vela

Encontros ocultos
a luz de vela
doces frutos
da união eu e ela

casca de árvore
se perdendo as estações
forte como mármore
em beijos conjugamos nossos corações

noite e dia
manha ou tarde
seu corpo me queria
do cedo ao tarde

sobre as estrelas
nos amávamos
no brilho delas
nos beijamos.

Arthur Nett
07/01/2015


Celebre Clandestina



Celebre Clandestina

Celebre clandestina
no meu nobre destino
sua beleza me alucina
me sinto um menino

cortando o caminho
tecendo um atalho
para dama do ninho
no castelo de baralho

cartas marcadas
sem poder vencer
mãos dadas
para nunca te perder

panos cobrem o chão
a Lua preenche o Céu
no vale do seu coração
sou um anjo todo seu.

Arthur Nett

07/01/2015.