segunda-feira, 12 de março de 2012

Conto de Fadas


Conto de Fadas
Luzes fora do quarto escuro
linda como a Lua
em torno de voçê refreia o muro
de garranchos na parede crua

cosmopolita da sua coluna
é o príncipio da fonte do desejo
assimilando a língua de lamina
persuadindo o Céu aberto do beijo

a dobradiça mais pura da floresta
laica continua o conto de fadas
bichos de pelúcia no coquetel da festa
nosso castelo de barro feito de mãos dadas

tocando Choppin em concerto
compondo seu mundo paralelo
os lábios engravatando mais de perto
na gargantilha degregada do amor no elo.

Arthur Nett 28/06/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário