segunda-feira, 19 de março de 2012

Terso Fim


Terso Fim


Arrojo no Navio do Deserto
cai do Céu a poeira
venerando voçê de perto
entalhando na cachoeira

Era Vitoriana na chuva torrencial
arsênico celebre e sintuoso
num beijo antigo na aurora bureal
amor antimônio no solo impiedoso

província do corrego succínico
no antepasto do veneno indesciso
nosso beijo trancedental de succínico
corações frios batendo até o friso

espírito livre em troncos amarrados
grito o seu nome em verso pra mim
num prontuário furtivo dos testamentos perdidos
nos nossos beijos até o terso fim.

Arthur Nett
30/06/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário