terça-feira, 8 de julho de 2014

Leviatã



Leviatã

Ela estava exausta da vida
senti isso no fundo dos olhos
queria o néctar da partida
viver sem perder os sonhos

eles vieram armados
achando que lhe tirei
a vida então os deixei acabados
numa noite lhes mostrei

a muitos mistérios
entre o Céu e a Terra
nos rios dos cemitérios
leviatã observa e narra

nunca seremos vistos
a caminhar pela cidade
no dia seremos bem quistos
à noite teremos nossa liberdade.

Arthur Nett
15/03/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário