quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Pele de Cabra



Pele de Cabra

Toda noite lágrima
todo dia choro
bela vítima
corpo rijo ao couro

pele de cabra
canto do galo
suja macabra
centenas a alimenta-lo

Sol covarde
corre do monstro
potente arde
a metade do encontro

cruzes tremiam
trevas espessas
mulheres gemiam
saciando funéreas.

Arthur Nett
29/07/2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário