quarta-feira, 25 de abril de 2012

Corro em Círculos




Corro em Círculos
Aprofundado no sinal vermelho
todos os dias corro em círculos
caindo inspirado na sua bravura no espelho
rumo velejando sentimentos pelos ventrículos

céu cinzento sonha em dormir
condolências aos enigmas dos nossos beijos
minha sombra te cobre até dormir
sou o fogo eterno dos seus desejos

minha pele de caçador na performance
do nosso jogo de cara e coroa
perigo sincero do nosso romance
projeção das notas da canção na nossa proa

o vento enforca minha gravata
espera minha palavra sincera
que arromba a porta da mata
do seu coração pulsante de cera.
Arthur Nett 12/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário