quarta-feira, 25 de abril de 2012

Suspeito Zero



Suspeito Zero
Deixe as gotas de sol secarem
as velas sacras da nossa luz antiga
o fogo do teto paralelo a nossa coragem
aos meus beijos nasce sua cantiga

vejo tudo que você não enxerga
meu cheiro é o ritmo da sua carne
a terra afunda sobre sua fé cega
no magnífico jubileu do meu charme

escrevo as grades que te deixam solta
prisioneira rebelde e livre no meu festim
estrada de rubis que só tem volta
sou seu suspeito zero do começo ao fim

sou a corrente dos seus pés
sou a culpa que carrega nos lábios
você é meu último trem além das marés
soberano meu corpo reina nos seus lábios.

Arthur Nett
14/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário