quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Lobo Solitário




Lobo Solitário


Caravana de leões albinos no milharal
caminhos épicos na jornada do pônei
a libra escarlate viaja a sucursal
da fonte de beijos que jamais esquecerei

o lobo solitário anda no silencio do diário
os dois lados do sino são o ponto alto
na cachoeira do rosto no antiquário
retocando o diário com memorias de salto

pos trás dos seus olhos
nos sussuros dos meus sonhos
no meio dos matos vermelhos
vivo perdido nos seus caminhos

luvas nítidas rondando o alce
palavras vazias nos arbustos da esperança
conto as estrelas pela sua face
seu corpo versado no meu rosto de criança.

Arthur Nett 26/07/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário