sexta-feira, 6 de setembro de 2013

Cálice



Cálice

Homens mortos são escravos
mulheres belas são minhas
companhias por lagos eslavos
mato a fome que me tinhas

mato a sede
tudo é profundo
um cálice que não se mede
não se chega ao fundo

um animal selvagem
soberano na escuridão e feroz
aproveitando à noite e sua paisagem
a humanidade não é como nos

eles são apenas cinzas
acendendo a minha natureza
devorados pelas minhas presas
seu sangue doce me nutri com ardileza.

Arthur Nett
29/08/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário