domingo, 27 de janeiro de 2013

Caminho do Grito




Caminho do Grito

O dia morre de olhos abertos
na madrugada nasce enganada
pela sacerdotisa dos certos
a sombra conspurca as pegadas da amada

a veia é a sentinela do corpo
chicoteando o caminho do grito
fuja da vida presa no corpo
sinta a eternidade do espirito

o negro sangue dos ossos
trocando a vida pela eternidade
mordaças de beijos que eram nossos
retratando a eternidade

meus desejos desafiam Lúcifer
o fogo tem o temor de Deus
o buraco na cova faz crescer
a fé do ceifador nos sandeus.

Arthur Nett
08/11/2011


Nenhum comentário:

Postar um comentário