terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Gigantes de Cova Rasa





Gigantes de Cova Rasa

Afogue meus lábios
no seu sangue stereo
corações mono de sábios
azaram da luz não é pareô

brindo vinho branco aos sandeus
sua veia tem o vinho tenaz
descompasso aos filhos de Deus
vitamina no incisivo voraz

estrela perdida na nuvem rasa
cobre o povoado da lua cheia
terra de gigantes de cova rasa
boca de tubarão na Santa Ceia

sou a boa sentença do seu pescoço
rédeas da noite sobre o dia ensolarado
chalé da sua alma escura como poço
meu dogma sombrio seu arado.

Arthur Nett
03/05/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário