sexta-feira, 8 de março de 2013

Alfa




                                                                             Alfa

Eu sou alfa e ômega
sou o começo do fim
nas minhas veias prolífera a praga
com veneno irrigarei meu jardim

serei mais do que possa
ver, sentir ou tocar
a eternidade será nossa
com a minha chegada  começaram a gritar

machucarei os ossos dos homens
deixarei cicatrizes nas almas das mulheres
suas lagrimas refletiram as imagens
das minhas caçadas noturnas e milenares

dos sonhos sou o tormento
dos pesadelos sou a fúria
meu veneno os empareda no cimento
seus destinos pertencem a minha incúria.

Arthur Nett
03/03/2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário