terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

A Vanguarda



A Vanguarda

Somos iguais por natureza
sua palma um ser diurno
o sol se ajoelha a sua beleza
envolta as minhas garras de ser noturno

o cemitério era o ninho
submerso ao céu estrelado
eu vivia sozinho
até meu corpo ser encontrado

um diamante entre pessoas perigosas
sou a vanguarda da raça
em noites sombrias e esparsas
estou na infinita caça

seu rosto angelical
bateu no meu coração
um caminho intrépido celestial
sangrando o meu chão.

Arthur Nett
15/02/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário