terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Erva Moura



Erva Moura


Eu imortalizei o herói 
prendi na alta masmorra o vilão
onde o vento não canta se destrói
sou sem alma , sem coração



setenta legiões 
caminham ao meu lado
bebi mil corações
protrairei quando o mundo estiver acabado



erva moura nos pratos
servidos ao meu Império
os meus viveram os outros aos prantos
serão consumidos pelo martírio



entre vida e a morte
a existência sumira como poeira
o breu amálgama minha consorte 
juntos fazemos da noite a ultima fronteira.



Arthur Nett
15/02/2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário