terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

Manhã de Outono



Manhã de Outono

Seu olhar nebuloso
como uma manhã de outono
sentimento rigoroso
em trilhas fugazes do destino

um calor celestial
secando a tempestade de querubim
nunca senti nada igual
precioso nascendo em mim

a vida flui em você
em tardes claras
ao calor do entardecer
peito com peito em mãos dadas

nos temos um caminho
escrito por um anjo sem asas
em moinhos de pergaminhos
com o vento de terras onerosas.

Arthur Nett
12/02/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário