segunda-feira, 10 de março de 2014

Sangue



Sangue

A noite chama
algo dentro de mim
um calor que inflama
a flor de sangue no jardim

algo difícil de explicar
indomável como nascer
um espirito livre pra matar
numa vertente feita pra morrer

esqueço a luz
me direciono a escuridão
o sangue me conduz
faz parar de bater o meu coração

sobre o Céu castanho
o astro rei enegrecido
testemunha eu beber um rebanho
de belas damas e me tornar temido.

Arthur Nett
25/02/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário