sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Furo n'Água




Furo n'Água

Os nervos exalam o vinho espumante
couro cru num amor ácido
alusão ao útero de diamante
amor solitário jamais esquecido

correndo pela vida sutil 
escrito nos papéis de parede
calcanhares do dado gentil
pescando os momentos como rede

furo n'água da direção que veio
cremando as marcas no estranho silêncio
pavio queimado no seu seio
mordida de amor no refinamento do cio

é necessária uma noite apenas
para o tornado de línguas em coco
corpo de mulher e aroma de meninas
trilhas na floresta do coração oco.

Arthur Nett
23/05/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário