domingo, 18 de maio de 2014

Vida Amarga



Vida Amarga

O velho homem
morrendo todo dia
sobrevivência e desejo se consomem
o sangue novo me partia

matando com as próprias mãos
o maligno destino
contando corpos numa canção
vivendo na taça de um menino

uma vida amarga
de dor constante
o veneno tira a carga
levando para a colina distante

a ultima vez
abatida a vontade
pela primeira vez
bebi a liberdade

Arthur Nett
23/04/2014

Nenhum comentário:

Postar um comentário