segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Agulhas do Presente



Agulhas do Presente

 
o legista de toda a sua vida
faço a autópsia do seu passado
o sinal verde dos pássaros controlam
infinitas horas dos dias ao seu lado

finita vinícola que destila seu amor
nas garrafas do meu coração de uva
no copo do seu ventre incentivador
o distintivo do seu suco me prende como chuva

apaziguo aos beijos seu escândalo
corações ao chão e copos ao alto
sua trajetória no meu perfume de sândalo
arrepio suas curvas como asfalto

feche os olhos e fique de mão aberta
sua alma de águia voa nos meus cabelos
sua corrida no meu corpo tem vitória certa
agulhas do presente nos tecem feito novelos.

Arthur Nett
01/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário