terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Luto do Sol






Luto do Sol


Rei do castelo de cristal
meus anjos não tem auréolas
na noite só a lua é celestial
mortais são jogados aos leões como libélulas

A escuridão da noite guarda meus segredos
no templo dos sonhos dos imortais
pesadelos previlégiados nascem sem medos
o luto do sol faz nossos olhos despertarem iguais

Madrugadas do sul, noites do norte
abalada você mancha o vestido minha marionete
com uma gota do meu sangua sente como sou forte
minhas presas rasgão seu pescoço como gilete

Você da sua vida por mim
supondo que terá lugar ao meu lado
será apenas a rosa mais bela do meu jardim
sou livre,ardiloso,sombrio e indomado.

Arthur Nett

16/03/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário