segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

As Sombras da Escuridão


As Sombras da Escuridão
O vampiro arranha as portas
as luzes cegas protegem a ovelha desgarrada
o Abismo do inferno mostra as respostas certas
coletando o sangue da imaculada

sinto na névoa a estaca
interrompendo a sombra da escuridão
na correnteza de sangue aos meus dentes de faca
me sirvo do ágape do guardião

Em Carpacia todo homem é livre
come a carne da ovelha negra
seu pescoço é o ninho do ventre
onde o sangue mascavo é via de regra

meu canino maduro seu sangue novo
seu vestido caindo na oração
amarro os seus cabelos ao veludo do polvo
que alimenta o monstro do meu coração.

Arthur Nett

21/06/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário