sexta-feira, 7 de junho de 2013

Sangue Inocente



Sangue Inocente

Os dias passam sem dormir
as noites se vão sem descanso
a luz do Sol me vê partir
para as noites que nunca canso

sozinho em busca de alimento
vago pela cidade em busca de sangue novo
com seu sangue nos lábios e no peito o sentimento
de amor ao ver a morte do povo

mil milhas de cadáveres aos meus pés
faz de prazer transbordar o meu sorriso
corações surrados pelas marés
dos meus desejos em vê-los fora do Paraíso

sempre me da dor
ver uma vida que ainda não tomei
gosto de sangue inocente como o amor
eterno que jamais esquecerei.

Arthur Nett
15/09/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário