sábado, 14 de junho de 2014

Cães Selvagens



Cães Selvagens

Liberto mais um corpo desova
o Sol começa a nascer
volto para cova
esperar o breu renascer

os mestres por baixo do chão
as margens da natureza
fizeram uma nação
com pilares de ossos de uma deusa

cães selvagens
sem nenhum dono
com umas aquarelas de sangue fizeram paisagens
da escuridão da noite sou o patrono

atraídos por um  coro de corvos
me servirão uma banquete sem tocar
suas garras imundas por sangue dos povos
na sobremesa terei dez virgens para me saciar.

Arthur Nett
04/03/2014




Nenhum comentário:

Postar um comentário