quarta-feira, 11 de junho de 2014

Presos na Laguna



Presos na Laguna

Levanto e olho ao redor
esta cheio de monstros
ao longo da noite a dor
fara a honra aos nossos encontros

sangue fresco da Hungria
lagunas transbordam nas tempestades
do sangue que te fazem macia
nutri seu corpo e suas vaidades

são menos venosos
enquanto o dia não nasce
desejos profundos e impiedosos
faz com que eu casse

presos na laguna
se escondem
são seus minha menina
os leve para onde os homens não veem.

Arthur Nett
27/03/2014


Nenhum comentário:

Postar um comentário