terça-feira, 4 de setembro de 2012

Beijo da Morte






Beijo da Morte
Vejo dentro do espelho
o que os olhos não podem ver
repouso no veludo vermelho
até o brilho do Sol morrer

o Sol está muito cego
a noite é minha
sou frio como o prego
que ao mogno faz companhia

o breu é um velho amigo
vê eu me embebedar com sangue novo
e no cemitério ser meu abrigo
esperando por cada um do povo

cada mulher terá sua hora
de sentir o beijo da morte
brindarei com o diabo agora
pois seu sangue me faz forte.

Arthur Nett
03/09/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário