quinta-feira, 3 de maio de 2012

Flor da Pele




Flor da Pele
Meus olhos correm suas curvas
as árvores se foram na estrada
a essência das pétalas são o mear das curvas
dama das camelias jaz possuída

seus olhos são a fragrância da rota
o som mais doce da tempestade verde
dois tesouros caminham em frota
quarteto de cordas no néctar da tarde

deite no meu chão e sinta a neblina
o meu sol forte queima a flor da pele
trazendo o brilho do amanhacer na colina
arco-íris de beijos nas cicatrizes da pele

separando o joio do trigo
unindo o perfume a rosa
meu colo seu doce abrigo
seus lábios carnudos minha prosa.
Arthur Nett

17/07/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário