segunda-feira, 28 de maio de 2012

Presas da Noite



Presas da Noite

O eterno amor ensanguentado nas sementes
é meia noite o dia inteiro
ao pacto de mil almas inocentes
cada parte sua é o meu inteiro

no Recife do Diabos é o meu lar
correntes de sangue no homem da morte
meu banho de sangue é o mangual do Mar
reide de vampiros no poder imenso da morte

a reencarnação dos séculos será o lampião
na nossa nuvem preta que chove no sagrado
Rainha da Noite não tema a escuridão
quando estiver no Inferno estarei ao seu lado

a volta dos mortos é o toque da alvorada
seu sangue mascavo corre no esqueleto de cristal
presas da noite com mãos humanas fazem a lenda
beijos de sangue ímpios na taça de cristal.

Arthur Nett
24/05/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário