quinta-feira, 19 de julho de 2012

Aliança de Fenix




Aliança de Fenix

Perco o sono no perímetro do meu receio
entro na luz dos seus sonhos
sobrevivo no calor do seu seio
suas unhas corroem meus espinhos

solidão a dois de onix
núcleo da semente ruim
queima a aliança de Fenix
tijolos do castelo no seu jardim

hipersônico ainda me lembro
da sensação em complô
exalando seu perfume de dezembro
comandando nosso amor retrô

himeneu da sua época e meu tempo
cerimônia dos segundos de bronze
meia volta na crença do vento
primitivo doze alcança onze.

Arthur Nett
29/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário