domingo, 29 de julho de 2012

Vive á liberdade



Vive á liberdade

Estava muito escuro
tudo já tinha acabado
só existia o nosso amor puro
o céu sem estrelas e voçê ao meu lado

desgarrado como o Astro
que brilha e percorre
no caminho do rastro
deixado pelo que nunca morre

a poeira das estrelas
vive a liberdade
voçê é a bela das belas
um segundo sem voçê é saudade

guardo o azul do Céu
no seu gloss cintilante
seu beijo o doce mel
na minha pegada de amante.

Arthur Nett
17/06/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário