quinta-feira, 19 de julho de 2012

Rosto de Anjo



Rosto de Anjo

Brilha o talento dos seus desejos ocultos
pilares de sal no seu calor me esquenta como conhaque
ilhas libertão nossa inocência em vultos
na escuridão da noite ficamos sem sotaque

provocamos os treze de fora
envolvidos as runas do vão da porta
o encantamento da víbora faz irem embora
a dopamina do meu beijo te deixa morta

negro como a noite meu longo sobretudo
descongela a euforia do animal no cio
a floresta dos seus desejos evidência tudo
inocentes e malditos de um mero pio

escadaria que brilha os castiçais como teclas de pianos
tocam Wagner com o pisar do seu salto agulha
tenho a maldiçaão do rosto de anjo por dez mil anos
minha língua de fogo incendeia sua pura fagulha.

Arthur Nett
01/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário