quinta-feira, 19 de julho de 2012

Sabores das Trevas



Sabores das Trevas

Bem longe os ricos sabores das trevas
todos os dias pertecem á escuridão
sou o filho do dragão vermelho primitivo das ervas
malabares das faíscas da explosão

vim do Olimpo esmagador do filho pródigo
onde o toureiro anda em cacos de vidro
faço parte da irmandade sombria do nefasto código
o rio dos meus olhos repousa no vidro

não entendo a linguagem de Deus
mais interrogo todos os sinais do Diabo
investigados por anjos do adeus
parque nivelado pelo que tem chifre e rabo

açúcar mascavo em raízes amargas
alpinista sombrio de troncos negros
a frieza de folhas negras incontaveis sobrecargas
o cavaleiro branco mente em nome dos seus anjos negros.


Arthur Nett
02/04/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário