segunda-feira, 11 de junho de 2012

Minhas Madeixas


Minhas Madeixas
Procriam as cavernas de giz
möet cobertas com fru fru de veludo
seu corpo espumante sempre quis
sua uva verde envelhecida no meu cabelo

acidez de fruta pegando as deixas
no solo de champagne com os olhos de fora
seu desejo cristal preso as minhas madeixas
café du palis envelhecido desde a aurora

vinho espumante na árvore sem folha
labirintos de giz nos campos da frança
seu Dom Pérignon ganha tempo na rolha
meus cabelos longos enchendo a sua taça

möet cruzando o Céu
café du palis contorna a Lua
meus cabelos dormindo no seu véu
minha boca degustada pela sua.

Arthur Nett
02/08/2011

Nenhum comentário:

Postar um comentário