sábado, 9 de junho de 2012

Veias do Segredo



Veias do Segredo

Perdendo o sangue no ciclone
de olho morto com sede de sangue
a escuridão no teu corpo insone
minhas presas batizam o teu sangue

demónios correndo no coração
em santas veias do segredo
desapareço na escuridão
matando o seu medo

no amanhecer a morte está vindo
as trevas vivem no dia morto
sua vida me seguindo
a morte eterna faz o seu parto

a semente do demónio sobrevive
nas cantigas sagradas em terra inférteis
na minha sombra você vive
a vida eterna de corações férteis.
Arthur Nett
31/07/2012

Um comentário: