segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Criador de Viúvas





Criador de Viúvas


A noite roga pelo criador de viúvas
a escuridão clama pelo nono círculo do inferno
minha armadura é a sombra negra das viúvas
esperando a bruma sombria do inverno

vozes da encarnação na morte certa
chuva devastadora de mastruco e sangue
minha terra preta bate a sua porta aberta
seu batismo de fogo com meu sangue

esgrima de línguas vivas e mortas
envocando o floreto do redentor
meu ímperio sombrio ermo e sem portas
vozes da encruzilhada guiando o sangue do amor


o limbo queimado no caminho da forca
um pouco de corda com cheiro de pele
meu desejo maciço na cruz de malta oca
minha sede aquece a vedeta da sua pele.


Arthur Nett

06/08/2011


Nenhum comentário:

Postar um comentário